\n\n

Blog

Aprenda tudo sobre estufas e agronegócio.

Plantar muda de citrus pode parecer um desafio em alguns momentos por conta da legislação e os cuidados necessários a tomar. Entretanto, os dados mostram que a chance do trabalho ser recompensador é grande, pois o Brasil figura como o maior produtor e exportador de suco de laranja de todo o mundo.

Segundo levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), o país abocanha uma fatia equivalente a 81,5% desse mercado. Isso corresponde a cerca de um milhão de toneladas anuais, números de causar inveja em outras nações.

Apesar dos bons números da laranja capazes de impulsionar as mudas de citrus, o produtor precisa prestar bastante atenção com um problema que pode acometer a plantação: o cancro cítrico. Ele é responsável pela perda de 20% ao ano nas culturas e costuma causar intempéries aos trabalhadores do campo.

O que é cancro cítrico?

Causado pela bactéria Xanthomonas citri subsp. citri, o cancro cítrico caracteriza-se pelo aparecimento de lesões marrons e salientes em diferentes partes da muda de citrus. Elas ainda costumam apresentar uma espécie de halo amarelado.

O problema pode ser disseminado através de maquinário, vestuário, materiais de colheita, chuva. Além disso, outro importante agente nesse processo é a lagarta minadora. Mesmo não sendo hospedeira, ela se alimenta dos cultivos e permite a abertura de galerias nas folhas das plantas. Isso facilita a contaminação.

Descoberto na Ásia, onde todos os países produtores sofrem com a doença de maneira endêmica, o cancro teve o primeiro registro em terras brasileiras há mais de 40 anos, em 1957. Os estados de São Paulo e Paraná, dois dos principais produtores de laranja do país, foram os primeiros a reportar casos em mudas de citrus.

Impactos nas mudas de citrus

Segundo levantamento do Fundecitrus (Fundo de Defesa da Citricultura), houve crescimento de 28% da doença em plantações do cinturão formado por regiões dos estados de São Paulo, Minas Gerais e do Triângulo Mineiro. Isso traz problemas nas plantações e, consequentemente, no lado econômico do trabalhador do campo. É um dado que ressalta a dor de cabeça causada pelo cancro cítrico aos produtores.

Em caso de cancro, as mudas de citrus sofrem com a depreciação da qualidade produtiva, que acarreta em queda nos números e qualidade. Esse prejuízo impacta diretamente na comercialização em áreas livres da doença, levando a prejuízos financeiros para o trabalhador do campo.

O que fazer para evitar o problema?

O cancro cítrico é um verdadeiro problema para o trabalhador do campo. Não há método curativo para a doença, o que faz a perda de produtividade ser grande, pois a única alternativa é a erradicação do que estiver contaminado. Ainda assim, não é suficiente para acabar com a bactéria causadora do problema.

Não se esqueça de remover as rebrotas que comumente aparecem na área, pois podem conter resquícios e acelerar o contágio. Higienizar todo o material usado e pulverizar com bactericida são medidas recomendas, principalmente em enxadas, maquinário, caixas e utensílios, pois diminuem o risco de contaminação.

É possível adotar providências na tentativa de preservar as mudas de citrus. Iniciar seu cultivo em estufas ajuda a ter um controle maior quanto a possíveis pragas, o que garante maior produtividade ao produtor. A Plantfort te ajuda, fale conosco!